Vamos ver

Não há máquina como a primeira.

K1000

Uma coisa perfeita. Toda manual (a pilha só era necessária para o fotómetro) e sem concessão alguma à ergonomia. Com mais de meio quilo de aço, também podia ser usada para quebrar nozes numa pedra. Se fosse música, era uma canção dos Smiths.

Aliviaram-me dela em Salvador da Baía, enquanto lia a ementa numa esplanada.

Seguiu-se uma Nikon F50. Era ela quem decidia o momento do disparo e eu detestava-a secretamente. Demorei uns cinco anos a reunir pretextos (deixei de ter laboratório, tornou-se cada vez mais difícil e mais caro comprar filme, os telemóveis começaram a vir equipados com uma câmara), mas acabei por conseguir depositá-la fechadinha num arrumo.

E assim passei os últimos dez anos, fotografando com electrodomésticos multi-funções.

Sucede que me fartei, e agora:

D90

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

O fim do mundo que se prepare, tudo será implacavelmente registado.

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Uma resposta a Vamos ver

  1. Micha diz:

    welcome to the digital world😉

Escreva o seu comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s