Millôr Fernandes, 16/08/1923 – 27/03/2012

“Quando eu morrer só acreditarei na sinceridade de uma homenagem – o agente funerário não cobrar o enterro“.

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.